tea time yoosfera dois cafés (e um descafeinado) playlist

O meu carinho por Asanio Inio

.
Olá queridos leitores!

Queria ter feito o BEDA: Blog Everyday in April/August. Como não pude fazer em abril, esperava poder participar dessa vez. Na primeira postagem pretendia conversar um pouco com vocês sobre uma paixão de 2017: Asanio Inio. Resolvi postar mesmo assim. Sempre li muitos comentários positivos sobre esse mangaká mas nunca cheguei a procurar algo dele para ler. Infelizmente, sou daquele gênero de pessoa que abre o My Anime List e pesquisa os mangás/animes com as melhores notas pra assistir e tentar entender porque tem uma nota "alta" (entre aspas porque, numa escala de 1 a 10, as MELHORES notas ficam entre 7 e 9 e não: não existe uma única obra com nota 10).

É uma atitude deplorável, já que cada pessoa tem sua própria forma de avaliar um conteúdo, e tem suas próprias experiências que influenciam na hora de formar uma opinião sobre algo. Isso significa que, mesmo com uma nota abaixo de 7 no MAL, uma obra não necessariamente é detestável e "inassistível". E também quer dizer que nem todas as obras com classificação acima de 7 são de bater palmas e assoviar (tem animes que eu não entendo como são tão aclamados, mas vida que segue).

Então, enquanto praticava esse ato medíocre e que não me desfarei tão cedo, já que conheci muitas coisas interessantes dessa forma, eu conheci um mangá do tal Asanio Inio e levei um choque. Não, não foi Solanin, que foi o último que li, mas outro (Sekai no Owari to Yoakemae, que significa: Antes do Amanhecer e do Fim do Mundo) que eram contos muito reflexivos e... Adultos. Eu tinha um certo repúdio de obras que continham ou insinuavam relações sexuais, aquele velho trauma de ecchi (peitos e bundas vivos dançando ragatanga freneticamente mesmo que a personagem estivesse parada, lolis com a pantsu de usagi aparecendo, aaaaa queima em nome de ), mas meu conceito foi completamente reconstruído depois dessa obra.

Sekai no Owari to Yoakemae

Uma vez que me tornei adulta, algumas coisas pareceram mais claras. Amor é nada mais que um fenômeno químico, sexo é nada mais do que uma reação natural, e o poder do dinheiro é muito maior do que parece (ok, eu estou eu estou ARROTO me sentindo como o velho ARROTO o velho Rick). Eu aprendi que não sabia muito sobre amor, que fazer sexo pra preencher o vazio não era exatamente errado como os conservadores gostam de fazer parecer e que o dinheiro importa sim. Existe uma romantização muito grande que faz com que pensemos que todas essas coisas são ruins, aí crescemos e percebemos que todas as pessoas fazem coisas ruins e nos tornamos jovens ansiosos, depressivos, frustrados, perdidos em um mundo adulto onde ninguém nos ensinou como as coisas realmente funcionavam. "Minha vida foi uma mentira", o sentimento é real nessa expressão.

Uma vez que crescemos e o mundo é despido em frente aos nossos olhos inocentes, tudo se torna claro. Difícil e amargo, é verdade, mas bem nítido. Acho que é normal que procuremos coisas que fujam da nossa realidade, e talvez seja por isso que Asanio é incrível. Ele nos leva para uma realidade que não é nossa, mas de outras pessoas com outros tipos de personalidade, e nos mostra coisas reais e que conhecemos, mas num universo onde tudo se torna límpido como a água. É como pegar a essência de como funcionam as coisas e colocar dentro de uma caixa, para que possamos observar e perceber aonde tudo aquilo vai dar, e esse momento é extremamente reflexivo.

Nunca imaginei ler um mangá com a intenção de fugir da realidade e da rotina, e me encontrar submersa numa reflexão sobre o que eu venho vivendo e o mundo em que eu me encontro. Principalmente, porque tudo o que leio é fantasioso, mágico, surreal, e lá no fundo, bem na essência é que há uma mensagem sobre coisas que conhecemos na nossa realidae. Asanio coloca em algo fictício aquilo que é real, assim mesmo, de forma crua. É incrível, ao mesmo tempo que é melancólico e angustiante. Eu me sinto bem de poder refletir sobre a vida e de sentir que... É, eu não estou maluca.


Solanin
Então, após minha aventura e choque pelos contos de Sekai no Owari to Yoakemae, fui conhecer Solanin. Contava a história de um jovem casal de namorados e sua experiência com o mundo adulto, os sonhos adolescentes sendo pisados aos poucos pelas dificuldades, algo que eu me identificava muito. Eu me emocionei muito com a história, principalmente pelos picos de emoção e de vazio que se intercalavam, mostrando como o mundo é... monótono e menos romântico do que a gente tenta desenhá-lo.

Depois de Solanin eu sempre choro ouvindo músicas de bandas de rock indie japonesas (adoro encontrar aquelas dos anos 90). Inventei de procurar uma terceira obra do Asanio, Oyasumi Punpun, "Boa Noite PunPun" em português. Conta a história de um garotinho de 11 anos, parece bem infantil, mas Punpun vai descobrindo coisas sobre a vida adulta, amadurecendo e se vocês prestaram atenção no que eu contei até agora das obras do Asanio, já devem ter entendido que a história é tocante.

Não posso de maneira alguma esquecer de citar Umibe no Onnanoko (A Girl in the Shore, Uma Garota na Praia em pt), porque me tocou de maneira insanamente pessoal. Conta a história de dois adolescentes entediados que, depois da guria ter partido o coração, passam a viver um relacionamento sem compromisso. O guri é bem excluído e tem um passado bem dolorido, enquanto ela tem um melhor convívio social na escola. Um sentimento começa a nascer em algum momento e começa a atrapalhar a vida dos dois.
Kousuke, o guri solitário de Umibe no Onnanoko.

Eu não sei por onde começar: será que devo falar sobre a guria ter partido o coração dela com um cara idiota? Será que comento sobre o fato dela ter decidido ter um relacionamento descompromissado com o guri problemático e fechado do qual ela já havia dado um fora? Ou devo falar sobre o sentimento silencioso que surge entre os dois e o que eles (principalmente ELE) decidem fazer com o que sentem? Eu não sei, essa história é tão real e tão COMUM que lê-la me acertou tão em cheio!!!

Outro mangá do Asanio Inio que eu li e me despedaçou com seus aspectos reais foi Nijigara Holograph, que as crianças decidem fazer um sacrífico para que o fim do mundo não aconteça: uma outra criança que era rejeitada e que sua mãe acabara de morrer (inclusive, esse é o contexto utilizado para usarem ele como sacrifício, mas na história é melhor explicado). Mas não tão simples assim, todas as pessoas dessa época aí, anos depois tendo que lidar com o peso do que fizeram, seja lá o que foi. Uma crítica social tão... Sei lá que palavra usar.

Resumo dessa postagem: Eu não tenho estruturas para explicar Asanio Inio. Eu gostaria de conseguir expressar o quão bom é saber que a minha visão amarga e desesperada da vida não é um defeito, que muitas pessoas entendem o sentimento, que existem obras com personagens tão perdidos quanto eu. Me sinto tão grata de saber que minha ânsia de contornar todos esses tropeços e soluços não são dramas da minha cabeça, que o mundo realmente é complicado às vezes, que se sentir perdido também é normal.

Não sei explicar? De alguma forma, saber isso me dá algum tipo de esperança, uma ressalva ao fato de que eu não vim com defeito e só estou sendo humana. Eu sinto como se eu pudesse continuar tentando, sabe? Que palavras usar, heim?! Talvez daqui algum tempo eu consiga resenhar alguma de minhas leituras dele, quem sabe quando eu terminar de acompanhar a história do Punpun? Ou talvez nunca?!


"Nous les offensés, nous les apeurés 
Touchant de nos sens, celle que l'on a tant redoutée."

QUE A FORÇA ESTEJA COM TODOS.

14 comentários:

  1. OH MEU DEUS BEM VINDA DE VOLTA YOOCCYAN 💚💚💚 (vou comentar direito eu prometo)

    ResponderExcluir
  2. Olá, Yoo! \o/

    Eu também sou dessa que procura anime e mangá com base na nota. E concordo bastante contigo quando diz que um anime com nota abaixo de 7 não é necessariamente ruim, e vice-versa.
    Dessas obras que você citou na postagem, eu só conhecia Solanin e Oyasumi Punpun que, inclusive, tenho interesse em ler. Mas não sabia que ambas eram do mesmo autor.

    Eu confesso que fiquei bem interessada nas obras desse mangaká depois de tudo o que tu falou. Parece aqueles autores que de alguma forma te deixa marcada com aquilo que escrevem. Outra coisa que atraiu a minha atenção foram os traços. Gosto bastante de mangás com essa pegada mais madura.

    Você leu todas as obras online? Se sim, em qual site?

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Smoak \o/

      De fato, as obras dele marcam e nos fazem pensar muito. Também gosto do traço, inclusive, é uma das coisas que fazem a leitura ser agradável.
      E sim, li todas as obras online. Eu pesquisei no my anime list nomes de mangás que ele escreveu e depois fui pesquisando no Union Mangás. Gosto do leitor deles!

      Beijos ♥

      Excluir
  3. Oi Yoo <3
    Não conhecia esse autor, embora tô com a vaga sensação de já terem me falado sobre. Ai, na verdade, agora comentando acho que a Ren do Devaneio tinha me indicado Oyasumi Punpun, e eu acabei enrolando pra ler e não vi. Deve ser isso, eu acho~
    O traço dele é bacaninha, é um traço que antigamente eu acharia feio e hoje acho lindo por ser mais real, acho. Também me sinto muito tocada com esses mangás que falam de coisas mais reais, mais próximas do dia-a-dia. Fiquei na cabeça agora que li algo muito com essa vibe e que de fato me tocou muito, mas esqueci totalmente o que era pra poder recomendar -qqq Que vergonha. HAHAHAHAH!
    Agradeço a dica! Acho que preciso ler esse que a Ren me indicou, porque já é a segunda indicação que recebo (ainda que não direcionada pra mim). Deve ser um sinal.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Shana ♥
      Confesso que antigamente não gostava desse tipo de traço, mas hoje em dia é bem convidativo por soar natural/real, como tu disse. Eu ouvi falar por aí também pela blogosfera, e só tomei coragem para ler esse mangaká quando um amigo me disse que era uma ótima leitura e que recomendava.
      Leia sim e diga o que achou, vou adorar saber a tua reação com as obras aaa

      ps.:quando lembrar, me indica essa obra que lembrou viu?

      Excluir
  4. Aha, bem me parecia que essa arte era semelhante à de Oyasumi PunPun. Eu nem sabia quem era o mangaka e não li nada dele, mas sei que ele escreve algumas coisas abaladoras psicologicamente e que a arte contribui. Eu concordo com quase tudo o que você disse sobre as classificações - sobre como a experiencia pessoal influencia o rating e sobre como é incompreensível que alguns animes tenham notas tão altas - mas não concordo que não há animes de 10. Eu decididamente uso 10 para classificar obras que eu considero muito bem feitas, a nível de narrativa, personagens, técnico, e eventualmente arte. Nem têm de ser os meus favoritos, mas têm de ter algo de admirável - tipo steins gate. E uso 7 para animes que acho "meh", não propriamente maus. Já agora, eu sou o tipo de pessoa que precisa de tempo assistindo/lendo coisas mais leves depois de er algo denso no sentido psicológico, portanto tão cedo não devo ver nada desse mangaka.

    Admito que acho que a maioria dos adultos prepaa as pessoas muito mal, e que muita gente aprende a ter vergonha de coisas naturais - relacionamentos sendo uma delas. Mas já agora, apesar de ser natural, nem toda a gente sente atração sexual - nem romântica! - e isso é igualmente natural ^^ E j+a que estou numa de lenbretes para incluir pessoas lgbt+, falo também de questões feministas: são mais as mulheres que aprendem a ter vergonha de coisas assim, homens até são encorajados a ter experiências sexuais. Portanto, não só as pessoas não são preparadas para a vida adulta, como não são preparadas para a influência que as suas caraterísticas e condições afetarão a maneira como vivem em sociedade.

    Eu também ando a estudar ciências de computação e engenharia informática, mas em Portugal :) Conheci o seu blog graças ao together, e achei logo piada ao printf por cima do menu >.< Ando ocupade* a divulgar o meu blog porque só tem 31 seguidores, e sim, considerando o blog que tinha antes de migar para esse, parece-me um número pequeno. Portanto estou a comentar em blogs amigos e em blogs novos que vou conhecendo, e não me posso demorar aqui muito mais porque já coloque mais blogs na lista de espera. Jaa!

    http://caixinha-any.blogspot.com/

    * não, a terminação em "e" não é erro, sou uma pessoa não-binária (nem homem nem mulher, no sentido de género, não sexo) e portanto acho que essa maneira de falar me reflete melhor. Posso esclarecer perguntas que tenha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem-vinde ao meu bloguinho Any ♥

      Sobre a pontuação dos animes e mangás, quis dizer que no MAL a pontuação geral nunca alcança 10. Na pontuação pessoal já dei muitos 10 com todo coração, afinal, existem obras maravilhosas e incríveis (mas isso é uma concepção muito íntima, pessoal, por isso fiz questão de dizer que a avaliação varia de pessoa para pessoa). Sou como você: dou um tempo depois de ler/ver algo que me abala psicologicamente. Assim que se sentir confortável, espero que possa desfrutar das obras do Asanio Inio e gostar como eu ♥

      Realmente, os adultos preparam as pessoas muito mal, e tendem a ensinar as mulheres de que não devem se sentir confortáveis ao falar sobre sexo. Concordo contigo, também acredito que não sentir atração sexual ou amorosa por alguém é algo natural. Acredito que esses assuntos sejam tratados como tabu por conta da "postura ideal" que a sociedade cobra, mesmo que os tempos agora sejam outros.

      Eu te conheço desde que comecei a socializar mais pela blogosfera (desde 2015/2016, por aí), mas confesso ter sentido vergonha de interagir. Há algum tempo não te vi mais pela blogosfera e fico feliz que tu tenha me dado a honra da sua visita! A blogosfera anda um pouco vazia e abandonada (talvez, por causa do youtube?!), mas espero que teu blog receba mais leitores e carinhos ♥

      Excluir
  5. Oiee Yoo-chan!

    Te conheci pela Yuzu quando ela divulgou seu instagram, mas nem tinha comentado aqui no seu blog!
    Manga e anime são vistas como coisas infantis por causa da maioria da categoria ser em coisas surreais e/ou fantasias, mas entre eles existem muitos mangas com histórias bem realistas despercebidos por muitos públicos, pq muitos mangás realistas não faz muito sucesso entre os públicos.
    Sonhar é bom, e enquanto é jovem acaba jogando uma expectativa bem alta, e quando se torna adulto meio que automaticamente/naturalmente acaba aceitando essas realidades. (e lógico, existe muitas pessoas que não consegue encarar a realidade e fica com aquela mentalidade infantil mesmo sendo adulto)
    E entendo muito seu ponto de vista sobre do assunto, acho incrível esse mangaká faz com que o leitor refletir sobre da vida através da história que ele desenha.

    <a href="http://tsuki-no-shia.blogspot.com.br>Tsuki no shita</a>

    Kiss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PaMu, bem-vinda ♥

      Realmente, quanto mais realista a obra, menos conhecida. O que é uma pena, afinal, um material incrível deixa de ser conhecido por conta de uma concepção quadrada (embora fantasia seja maravilhoso também, haha).
      Acredito que é um processo delicado e que todos nós devemos passar, e é ruim quando alguém não consegue amadurecer. Muitas vezes pela educação que teve ou até mesmo por não aceitar o quão ruim o mundo parece, é por isso que acho importante que as pessoas falem sobre isso: conversa normal, filmes, livros, mangás.
      Asanio Inio é incrível por conseguir falar sobre esse assunto.

      Até ♥

      Excluir
  6. EAI MEU CHAPA
    bicho anotei os mangá tudo e vou ler, porque é do mesmo autor que oyasumi punpun então eu to como?? exato, preparando os lencinhos.

    eu amo o seu blog demais, e amo voce também <33

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EAI MINHA CONSAGRADA
      Faz bem, prepare os lencinhos porque é nessa vibe.

      eu também amo o black sky e tu demais alome <33

      Excluir

🌜 Plágio é crime;
🌜 Evite desavenças;
🌜 Críticas construtivas são bem-vindas;
🌜 Quando não souber o que falar não fale nada;
🌜 Comente sobre a postagem, não apenas se auto-divulgue;
🌜 Tem blog? Deixe o link no final do comentário :3

Use sem espaços:
negrito: < b > texto < / b>
itálico: < i > texto < / i >
link: < a href = "l i n k a q u i" > texto < / a > mantendo espaço somente entre a e href.

"Diga amigo e entre."
Elf Garden 1.1.0 Template. Yoona Moon [29.11.14]06.06.17 - ∞.
Todos os direitos reservados.